Tecnologia AROP / AROP.NET

 

O AROP é uma plataforma orientada para a Gestão de Conteúdos – ECM (Enterprise Content Management).[1]

 A implementação do AROP, permite às organizações criar, gerir, distribuir e arquivar todos os tipos de conteúdos com segurança. Esta plataforma potencia ainda a criação de um ambiente de colaboração nas organizações, não só através da

 No módulo de Administração do eFlowAROP, são executadas todas as tarefas inerentes à gestão, tais como:

 

  • Controlo de fluxos

   • Definição e atribuição de permissões às entidades     intervenientes em cada processo (por utilizadores, grupos     e perfis)

 A sua total integração com a componente de gestão de conteúdos AROP.NET, permite de forma fácil e intuitiva que qualquer conteúdo ou conjunto de conteúdos residentes neste repositório, possam ser submetidos a processos de aprovação e publicação na Web.

 Na nossa opinião, e citando o exemplo dado no post onde falamos do caso da Direcção geral de Edifícios e monumentos nacionais, esta é uma tecnologia que pode ser implementada nos arquivos municipais, visto que é possível aliar a gestão arquivística à componente de disponibilização on-line

Exemplo do catálogo on-line assente nesta tecnologia

 clip_image0021

 Resultado de pesquisa

clip_image003 

 

 

 


[1] MICROFIL- Arodutos: Plataforma Arop.[em linha]. [Consultado Em 08-12-2008]. Disponível na internet em: http://www.microfil.pt/Microfil.pt/forms/005_A.aspx

Anúncios

Exemplo da Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais

Actualmente para preservar a documentação a digitalização é uma opção acertada. Assim, a disponibilização de imagens ou documentos digitalizados, é uma realidade nos arquivos municipais.

A disponibilização de documentos on-line nos últimos anos é sem dúvida a ambição de muitos arquivos e profissionais de informação.

Na procura de tecnologias que permitissem uma disponibilização de conteúdos na internet não podemos deixar de dar uma atenção especial ao caso da Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais que disponibiliza no site, através da aplicação AROP.NET, as fotografias de todos os edifícios e monumentos nacionais, bem como desenhos texto cartas paisagens etc.

O link a seguir liga ao catalogo de fotográficas de monumentos. http://www.monumentos.pt/Monumentos/forms/002_B.aspx

 Visitem o site e procurem os vossos monumentos preferidos. Estão disponíveis quase de certeza!

A pesquisa é fácil e intuitiva. A imagem abaixo é a igreja matriz de Barcelos e foi retirada do catálogo.

 

 

Igreja Matriz de Barcelos

  imagemaximized1

 

 

Instrumentos de Acesso nos Arquivos Municipais

Os arquivos na sua forma mais arcaica nasceram com a escrita, ou seja, a partir da altura em que se começaram a criar documentos, havendo uma necessidade espontânea e natural de organizar os documentos escritos. Nesta época não existiam técnicas nem conceitos de arquivo e os arquivos eram organizados segundo o critério das pessoas que tinham em sua posse os documentos. Este estado manteve-se durante séculos, apenas no século XVI sofreu o primeiro abalo devido ao aumento de documentação, sem que existisse na altura alguma norma ou teoria da arquivística. Nesta época a teoria era apenas armazenar documentos sem critério algum.

Apenas na idade média aparece o conceito de difusão da informação. Com o iluminismo os arquivos passaram a ser considerados instrumentos de trabalho para os históricos e académicos e nessa altura os arquivos foram organizados por ordem temática para facilitar o acesso à informação.

Na elaboração do nosso estudo sobre Arquivos Municipais, e relativamente aos instrumentos de acesso foi possível perceber que     numa primeira fase foram elaborados pequenos livros onde eram apresentados sumários dos documentos, fichas onde é mencionada a cronologia dos documentos e mais tarde foram elaborados guias, inventários e catálogos que permitem o acesso à informação. Em alguns municípios, e principalmente relativamente ao arquivo histórico, apenas é possível efectuar uma pesquisa presencial do catálogo, noutros, bem mais evoluídos, já é possível pesquisar em catálogos online, onde é possível efectuar uma pesquisa dos diversos fundos existentes nos arquivos.

 

Bibliografia

 

BRITO, Djalma Mandu. A Informação Arquivística na Arquivologia Pós-custodial. Arquivística.net (www.arquivistica.net), Rio de Janeiro, v.1, n.1, p. 31- 50 jan/jun. 2005.

 

REIS, Luís – O arquivo e arquivística evolução histórica. Biblios. Año 7, No.24, Abr – Jun. 2006

 

Fonte:http://www.aparici.com/en/producto/catalogos.asp

 

instrumentos-de-acesso