Exemplo da Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais

Actualmente para preservar a documentação a digitalização é uma opção acertada. Assim, a disponibilização de imagens ou documentos digitalizados, é uma realidade nos arquivos municipais.

A disponibilização de documentos on-line nos últimos anos é sem dúvida a ambição de muitos arquivos e profissionais de informação.

Na procura de tecnologias que permitissem uma disponibilização de conteúdos na internet não podemos deixar de dar uma atenção especial ao caso da Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais que disponibiliza no site, através da aplicação AROP.NET, as fotografias de todos os edifícios e monumentos nacionais, bem como desenhos texto cartas paisagens etc.

O link a seguir liga ao catalogo de fotográficas de monumentos. http://www.monumentos.pt/Monumentos/forms/002_B.aspx

 Visitem o site e procurem os vossos monumentos preferidos. Estão disponíveis quase de certeza!

A pesquisa é fácil e intuitiva. A imagem abaixo é a igreja matriz de Barcelos e foi retirada do catálogo.

 

 

Igreja Matriz de Barcelos

  imagemaximized1

 

 

Anúncios

Um exemplo de Evolução

“Uma das primeiras referências à documentação histórica existente no Arquivo Municipal de Loulé foi recolhida na obra Cortes do Reino de Portugal, dirigida por Joaquim Leitão e publicada pela Assembleia Nacional em 1940.

A Câmara Municipal de Loulé, a fim de salvaguardar e difundir a sua documentação histórica, procedeu no dia 25 de Novembro de 1984 à inauguração do serviço designado por Arquivo Histórico Municipal de Loulé.

A infra-estrutura arquivística foi construída no interior das fachadas de um edifício com história.

No início do século XIX serviu de aquartelamento aos 25 homens da guarnição francesa que, a 18 de Junho de 1808, se renderam ao Major José da Costa Leal e Brito.

Já no século XX teve diferentes usos, designadamente sede do Sindicato Nacional dos Sapateiros do Distrito de Faro e Escola Primária.

A 7 de Julho de 1993, quando servia ao comércio de empreita, palma e chapéus, foi destruído por um incêndio.

O novo edifício teve o apoio da Direcção Geral de Arquivo (ex-IAN/TT), no âmbito do PARAM, em resultado do Acordo de Colaboração celebrado a 2 de Outubro de 2001 entre aquele organismo e a Câmara Municipal de Loulé.

O Arquivo Municipal passou deste modo a oferecer instalações modernas e funcionais aos investigadores e aos Serviços da Câmara.

Os 4 depósitos localizados na cave, no rés-do-chão e no 1º andar, têm capacidade para 4.521 metros de documentos, controlo individual e remoto de temperatura e humidade e protecção contra fogos.

Também os documentos de valor administrativo de utilização menos frequente que estavam depositados um pouco por todo o edifício da Câmara Municipal de Loulé são agora preservados, organizados e comunicados em instalações planeadas para responderem às necessidades específicas dos arquivos.

No que respeita à documentação mais antiga, Loulé possui um rico acervo documental, tanto pela raridade de alguns dos seus documentos, como pela antiguidade e sequência temporal das séries.”

Fonte: Câmara Municipal de Loulé

 

                        Depósito do arquivo

 

Como podemos concluir este arquivo, já existe há bastante tempo, sendo a sua data de criação de 1984 podemos afirmar que as novas tecnologias não se encontravam disponíveis para este serviço nesta época, contudo aquando da criação do novo edifício e provavelmente até antes desta construção as novas tecnologias foram-se apoderando deste “reestruturado” serviço.